Petro garantiu o 13.º título de Basquetebol Nacional

0
Upper Digital Marketing
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Após dois adiamentos, no 4.º e 5.º jogos, a terceira tentativa de “assalto” ao título foi de vez e o 13º troféu de campeão nacional de basquetebol sénior masculino já faz morada na galeria do Petro de Luanda, que na noite desta sexta-feira superou o “arqui-rival”, 1.º de Agosto, por 88-82.

vestido” de amarelo, foi o palco da festa tricolor, cuja confirmação começou-se a desenhar na parte final de uma partida (6ª dos play-off) equilibrada, em que o trio de arbitragem não quis passar despercebido, pelo que entendeu chamar a si algum protagonismo.

A necessitar apenas de uma vitória para sagrar-se campeão (liderava as séries por 3-0), o Petro viu-se e desejou-se, tendo encontrado o caminho da consagração depois de dois desaires.

Em volto a algum excesso de zelo, David Manuel (chefe de equipa), Clésio Francisco e Francisco Tandu erravam quase de forma premeditada de um e de outro lado, mas, verdade seja dita, com maior inclinação para a parte “militar”, sendo Emanuel Quezada o principal “alvo”.

Ao base foram assinaladas, de forma desentendida, faltas (técnica e ofensivas) que contribuíram para que fosse desqualificado com seis faltas a 52 segundos do fim do jogo.

Mas, quanto ao jogo propriamente dito, o Petro, considera-se, foi um justo vencedor, pois liderou do princípio até ao meio do terceiro período, altura em que o adversário operou a maior recuperação, empatou a 47 pontos (único no jogo), e chegou mesmo a passar à frente do marcador (47-50), mas os comandados de Lazare Adingono tiveram argumentos suficientes para voltar a colocar-se em situação privilegiada.

No final do terceiro período, os “petrolíferos” ganhavam por um ponto (56-55). O quarto e último quarto trouxe outro alento e interesse ao jogo, com as equipas a usarem todas armas de que dispunham, desde os lançamentos de campo, triplos, lances livres e smash.

De ambos os lados, as acções eram centradas em quatro dos seus principais protagonistas destes play-off, sendo Gerson Lukeny (21 pontos), Leonel Paulo (20), Olímpio Cipriano (17) e Carlos Morais (11) pelos “tricolores”, e Eduardo Mingas (19), Andre Harris (19), Emanuel Quezada (17) e Armando Costa (14) pela parte “rubro-negra”.

A diferença esteve no banco de suplentes, onde a formação orientada pelo camaronês Adingono esteve sempre melhor em relação aos comandados de Paulo Macedo, face a contribuição de 19 pontos dos demais atletas, contra 13 dos agostinos.

Aldemiro João (8 pts), Benvindo Quimbamba (2), Hermenegildo Bunga (5), Childe Dundão (4), Kendall Gray e Aboubakar Gakou não pontuaram.

Por sua vez, Islando Manuel converteu (6), Edson Ndoniema (3), Felizardo Ambrósio (2), Mutu Fonseca (2), Pedro Bastos, Carlos Cabral, Tárcio Domingos e Hermenegildo Santos não fizeram qualquer ponto.

No final houve, além do jorrar do champanhe, a entrega de troféus e medalhas, com a ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula do Sacramento Neto, a colocar aos campeões nacionais e o secreatário de Estado, Carlos Almeida, aos finalistas vencidos. O capitão petrolífero, Leonel Paulo, recebeu igualmente das mãos da governante a taça correspondente ao titulo.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.