Espetáculo Conferência reúne 180 amantes das artes no Anfiteatro

0
Foto: Cedida
Upper Digital Marketing
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

“O Fado não se dança” foi o tema do espetáculo conferência que reuniu nesta semana  180 pessoas amantes das artes, no Anfiteatro Wyza da Fundação Arte e Cultura, na Ilha de Luanda, bairro Casas Novas.

Anfiteatro Wyza da Fundação Arte e Cultura

Homens de artes, mulheres ligadas ao sector da comunicação, gestores e administradores viveram o evento onde  a curiosidade pelo tema do espetáculo-O Fado não se dança- foi, inicialmente, um alvo a “matar”. O espetáculo conferência foi uma mistura de teatro, filme, música e dança.

No final do evento, as reações não se fizeram esperar.

Luís Carvalho, docente de artes e responsável do Elinga Teatro, disse que o evento mostrou o quanto a cultura une os povos. “O Fado não se dança é uma performance única, primeiro mostra o que é um fado, sua história. Mostra ainda que, muitas vezes, nós temos traços culturais. Conseguiram fazer uma performance num curto espaço de tempo com uma coisa extremamente inteligente”, disse o homem das artes.

Luís Carvalho reagiu ainda à abertura do novo espaço de espetáculo, o Anfiteatro Wyza, da Fundação Arte e Cultura. Para si, o espaço vem dar resposta à grande necessidade enfrentada pelos artistas.

Nas vestes de público, o Paulo Kussi, director de intercâmbio e planeamento do Ministério da Cultura, disse que o formato do evento acabou sendo uma surpresa.

“Foi um evento fantástico, com muita emoção. Saímos todos muito satisfeitos”, reconheceu Paulo Kussi, que não deixou de enaltecer o novo espaço de arte-o Anfiteatro Wyza.

Djamila Ferreira é poetisa. Segundo disse, o espetáculo foi `maravilhoso´, porquanto, acrescentou, “surgiu-me a ideia de contactar a direcção da Fundação para a realização de um projecto (spokenword) no Anfiteatro Wyza”.

Em 2018 tivemos 12 ensaios e nos apresentamos ao público

Daniela Vieitas é atriz e protagonista do evento que juntou 180 expectadores, aliás, por trás da satisfação do público estava o engajamento de uma equipa na interpretação- António Sande, Alexandre Luís, Daniela Vieitas, Gretel Marin, Kumpesa Sanda e Sofia Esteves e na produção- Edu Batalha e Margarida Silva.

“Sou actriz. Quando vim a Angola, conheci a Sofia que disse cantar fado. Nessa altura senti uma grande vontade de fazer um espetáculo em que conseguisse juntar o teatro e o fado. Então, fui juntando as ideias, agregando pessoas. E assim surgiu a ideia do projecto. Em 2018, tivemos 12 ensaios e nos apresentamos ao público. Nesta edição tivemos apenas três ensaios”, disse Daniela Vieitas, adiando a revelação da data para o próximo espetáculo.

Daniela Vieitas disse que o anfiteatro Wyza é de todo vantajoso para um artista, na medida em que, justificou, tem grande capacidade técnica, luz, som, projector, tela. “Isto é vantajoso porque diminui o trabalho de produção e os custos. Por isso estamos gratos pelo apoio da Fundação Arte e Cultura por disponibilizar o espaço e as pessoas”, disse.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.