Chineses buscam parcerias para relançar Corredor do Lobito

0
Foto: DR
Upper Digital Marketing
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Empresários chineses estão interessados em incrementar o transporte de mercadorias diversas do interior e dos países vizinhos para o mercado internacional, através do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB) e do Porto do Lobito, disse terça-feira, o embaixador chinês em Angola, Gong Tao.

Em declarações a jornalistas, no final de uma visita à região, o diplomata chinês Gong Tao considera o Porto do Lobito e o Caminho-de-Ferro de Benguela empresas ideais para fornecer um serviço logístico de transporte de mercadorias, provenientes designadamente do exterior para Angola, do litoral para o interior e para os países vizinhos e vice-versa.

Entre as empresas daquele país asiático, de olhos em parcerias junto das empresas do Corredor do Lobito, estão, ao que a Angop apurou, a China Harbour Engineearing Corporation, responsável pela requalificação do Porto do Lobito, em 2013, a Costo e a Sinotrans, viradas para a logística, sobretudo nos transportes ferroviário e marítimo.

Para o embaixador, as mercadorias e matérias-primas produzidas, quer no interior de Angola, quer nos países vizinhos [chamados encravados, a RDC e Zâmbia], podem usar este corredor do CFB e do Porto para atingir o mercado internacional, incluindo o da China.

Gong Tao revelou que o objectivo destas futuras parcerias de negócios será “cultivar mercado” para o bom funcionamento das empresas portuária e ferroviária do referido corredor, através do transporte de mercadorias, entre as quais o minério da República Democrática do Congo.

“Estou interessado em promover a cooperação comercial entre as empresas chinesas e os parceiros angolanos”, salientou o diplomata chinês, optimista de que há uma perspectiva muito “brilhante” de futuras parcerias, “porque temos vantagens diferentes, podemos tirar bom proveito e termos o desenvolvimento comum”.

O embaixador explicou ainda que esta cooperação comercial, prevista na cadeia de transporte “ferroviário e marítimo”, vem possibilitar a interligação do Corredor do Lobito ao interior e aos países vizinhos, garantindo melhor acesso ao mercado internacional.

Daí ter assegurado que a China tem empresas para fazer este serviço de logística, cabendo a estas reunir com os parceiros angolanos e, nomeadamente o CFB e o Porto do Lobito, e estudar em conjunto as possibilidades e as maneiras de cooperação.

Porém, Gong Tao avisa que estas parcerias têm de seguir as “regras de funcionamento do mercado”, quer dizer, a procura do mercado será determinante para que as empresas chinesas possam fornecer estes serviços de logística, no segmento do transporte ferroviário e marítimo/portuário.

De qualquer modo, garante que as empresas chinesas estão disponíveis em participar deste processo, para ajudar no desenvolvimento económico e social tanto de Angola, quanto dos países vizinhos da África Austral e também trazer benefícios para China e para o resto do mundo.

Por outro lado, o diplomata também admitiu a possibilidade da entrada no mercado da província de Benguela de vários outros empresários chineses em sectores como a indústria, agricultura e pesca, no âmbito da diversificação da economia.

Acompanhado de empresários chineses e funcionários da Embaixada da China em Angola, Gong Tao escolheu a província de Benguela para sua primeira visita oficial desde que foi acreditado no país, no dia 9 Maio último, pelo Presidente da República, João Lourenço.

Fonte: Angop

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.