Ativista Guineense apela jovéns africanos na luta pela resiliência

0
Foto: Suanny Hossi
Upper Digital Marketing
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Um ativista dos direitos da criança na Guiné-Bissau, Secou Sumani Sidibé, apela, de forma geral, aos jovens africanos para serem persistentes, capazes de luta e de resiliência muito superior à imposta por políticos.

“Devemos estudar mais, devemos procurar conhecer o mundo e fazer uma comparação com a sociedade em que nós vivemos. Devemos ser jovens virados para o futuro. Temos muitas coisas que nos podem atrapalhar no nosso dia-a-dia, mas temos que ser determinados. É preciso que tenhamos uma força de pensar que nós somos os únicos a podermos mudar África e o nosso comportamento do dia-a-dia também influencia a forma como devemos lidar com as situações”, afirmou Sidibé quarta-feira em Luanda, a capital angolana.

Ativista Guineense – Seco Sidibé

Ele disse acreditar que a juventude africana é uma juventude muito trabalhadora, honesta e que, por falta de oportunidades, tem sido marginalizada e silenciada.

“Mas nós devemos criar as nossas oportunidades, devemos ser persistentes e lutar para termos o nosso espaço, abrirmos novos horizontes e, sobretudo, vivermos com a sensibilidade e harmonia entre nós os jovens”, defendeu.

Também disse acreditar numa África onde as crianças já não vão passar fome, onde o acesso à educação seja gratuito e a liberdade de expressão “seja algo que vamos ganhando cada vez mais”.

Resumindo a sua vida de activista, Sidibé disse ter começado aos 11 anos de idade, participando no Parlamento infantil que é uma organização de crianças, que luta pelos direitos da criança e representa as crianças da Guiné-Bissau.

Disse que se trata de uma estrutura que funciona dentro da Assembleia Nacional Popular (Parlamento), tem um escritório e um orçamento.

“Quando se chega à Guiné-Bissau e se deseja falar com as crianças, há uma estrutura representativa para tal. Durante a minha passagem pelo Parlamento Infantil, desempenhei várias funções, nomeadamente as de coordenador no Departamento de Participação das Crianças e de presidente do tal Parlamento, de 2009 a 2014”, revelou Sidibé, a quem sucedeu Júnior Sebastião Tambá à frente deste Parlamento.

Seco Sidibé

Falando do funcionamento do mesmo, o activista disse que este funciona com sessões periódicas anuais, organiza campanhas de sensibilização para a divulgação da convenção das Nações Unidas sobre os direitos da criança.

O Parlamento faz com que a sociedade conheça a convenção e saiba cuidar das crianças e lutar, sobretudo, pela sua emancipação, dando-lhes oportunidades de serem ouvidas, no tocante a questões que lhes digam respeito, indicou Sidibé, garantindo que “este é o nosso principal foco.”

As sessões periódicas acontecem duas vezes por ano, no dia 1 de Junho, dia internacional da criança, e a 20 de Novembro, dia da assinatura da convenção das Nações Unidas sobre os direitos da criança, acrescentou.

Sobre como o Governo bissauguineense actua para questões atinentes aos direitos da criança, ele afirmou que, depois da assinatura da convenção dos direitos da criança, criou-se um Instituto da Mulher e Criança.

Posteriormente, prosseguiu, criou-se o Parlamento da Criança que, com o instituto, são duas estruturas que funcionam para a promoção dos direitos desta última.

Quanto ao funcionamento do Instituto da Mulher e Criança, o orador disse que o mesmo funciona com dois departamentos fundamentais, dos quais um para a criança e outro para a mulher.

O instituto é responsável pela elaboração de todas as políticas de protecção da criança e pela coordenação de acções de todas organizações nacionais e internacionais que actuam na Guiné- Bissau, a favor das crianças, revelou o activista bissauguineense, que se encontra em Luanda desde 19 de Julho corrente para uma visita oficial de 11 dias.

Sobre o seu mandato enquanto presidente do Parlamento da Criança da Guiné Bissau, ele disse ter tido a sorte de estar lá numa altura em que o governo do seu país estava determinado a lutar contra o tráfico de seres humanos, passando pela própria questão das crianças “talibés”.

“Enquanto Parlamento da Criança, tivemos um papel muito importante na criação da lei contra o tráfico de crianças e mutilações genitais femininas. Conseguimos, no nosso mandato, fazer com que a voz das crianças fosse ouvida em tudo que lhe dissesse respeito, porque nós estávamos sempre lá a pressionar, a bater nas costas dos políticos e dos decisores do país sobre a necessidade de tudo que tivesse a ver com a agenda nacional de desenvolvimento, a fim de que tivesse a criança como prioridade.

“Porque tendo a criança como prioridade, podemos construir uma nação e um Estado com futuro. E nós conseguimos pressionar, em todos os ângulos, o governo no sentido de criar uma agenda nacional da criança guineense, mas não tem sido possível tendo em conta a instabilidade cíclica na mudança dos governos, mas acreditamos que, com as esperanças renovadas, e depois destas eleições, vamos continuar a sua implementação”, disse.

No tocante a sua ONG “Dji tu tem”, ele explicou que é uma palavra de origem do criolo, que significa “resiliência” e que é possível construir-se um Estado, recuperarem-se valores da República, ser-se um país desenvolvido, construir-se “um país com que sempre sonhamos enquanto Guineenses”.

Indicou igualmente que a ONG foi criada no âmbito das acções de parlamentares infantis.

“Saímos do Parlamento e criamos esta ONG para trabalharmos sobretudo no âmbito da educação. Elegemos a educação para atingirmos o pico de educação que nós queremos, Vemos a educação como uma questão transversal que pode mudar a Guiné- Bissau nos sentidos económico, social e político”, avançou.

“Porque votando nas pessoas com menos nível de educação traz sempre dificuldades. Elas não sabem diferenciar as eleições legislativas das presidenciais, não sabem do valor do seu voto e não sabem dos seus direito e deveres, nem sabem o que é a cidadania que nós definimos como os direitos que nós temos e que são inalienáveis e os deveres que nós temos enquanto cidadãos que são os de cumprirmos com as normas do Estado e votarmos quando necessário, mas temos também de exigir do governo o cumprimento das regras estipuladas”, considerou.

Mas num país frágil como a Guiné-Bissau, lamentou, tem sido difícil o povo entender isso e a nossa organização actua nesta área, incentivando também a educação.

“Somos exemplos de que a educação pode mudar uma sociedade e a vida de uma pessoa. Nós somos um grupo de condições sociais baixas que dependem das rendas dos pais, não tiveram a oportunidade de estudar naquela altura, não têm curso superior e têm seus filhos e estão determinados a mudar o paradigma do país e, nesta nossa luta, aprendemos que a escola é a principal ferramenta para mudarmos o nosso país e a educação sobretudo. Conseguimos ter a nossa afirmação social e decidimos passar o nosso exemplo a outros jovens, através desta ONG”, pormenorizou.

Sobre o seu currículo escolar, ele indicou estar a terminar um curso superior de ciências políticas e de relações internacionais, na Universidade Lusófona.

Sekou Sumani Sidibé, nascido em Bissau há 24 anos, é actualmente coordenador do movimento “República dos meninos da Guiné Bissau” e assessor do presidente da Assembleia Nacional da Guiné-Bissau para a Área da Juventude e da Criança.

A sua estada em Angola inscreve-se no âmbito dos preparativos dum fórum infanto-juvenil da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP) a ocorrer brevemente, em São Tomé e Príncipe.

Sobre este Forum Infanto-Juvenil da CPLP, ele indicou que se trata de um projecto iniciado em 2018 em Portugal, e que a primeira edição ocorreu na Universidade do Aveiro, no mesmo país.

“Neste ano, fomos desafiados pela CPLP a realizar o fórum em São Tomé e Principe. No ano passado, foi um evento da CPLP, mas fora do âmbito da CPLP, enquanto organização. Este ano, sendo um evento da CPLP, enquanto organização, será necessário cumprirem-se algumas normas estatutárias. A norma estatutária da CPLP diz que um Estado membro deve propor um projecto à reunião dos ministros da Juventude, por se tratar de um Parlamento Infanto-Juvenil, e a reunião dos ministros vai aprovar o projecto do fórum”, informou.

Afirmou igualmente que a mesma reunião terá lugar no dia 20 de Novembro próximo.

“No mês de Maio deste ano, estive em São Tomé. Tive uma reunião com o ministro da Juventude e propus ao ministro a organização do fórum. O ministro, que é também presidente da conferência dos ministros da Juventude da CPLP, aceitou-o e o próprio governo de São Tomé esteve muito aberto para acolher o fórum”, prosseguiu.

Afirmou que a CPLP, através da reunião dos ministros, vai aprovar o fórum, dando assim luz verde para a concretização deste evento que já será a segunda edição e cujo objectivo é juntar crianças e jovens da CPLP  no processo de intercâmbio, de troca de experiências e, sobretudo, de fortificação dos laços.

A seu ver, o encontro é essencial para a comunidade lusófona, onde mais de 60 por cento de jovens representa a maior parte da população.

“Queremos acreditar que o futuro da CPLP passa pelos jovens e pela fortificação de laços entre os povos que são irmãos e vão continuar com a nossa irmandade”, concluiu Sidibé.

Seco disse ter estado na primeira edição do forum na Universidade de Aveiro, expressando ao mesmo tempo a sua determinação a mobilizar seus colegas para a segunda edição do fórum em São Tomé e Príncipe.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.