Angola e os desafios da atração de investimentos turísticos

0
Foto: DR
Upper Digital Marketing
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A existência de um enorme potencial turístico nas 18 províncias é inequívoca, mas os grandes desafios da nova Angola, que se abre ao investimento privado, sobretudo no turismo, estão ligados à confiança, leis e infra-estruturas, condições indispensáveis para a atracção de operadores e cadeias turísticas internacionais.

Ao acolher, de 23 a 25 de Maio deste ano, o Fórum Mundial do Turismo (WTF, sigla em inglês), Angola dá mais sinal evidente, depois da facilitação e isenção de vistos em 2018, no sentido da “confidencebuilding” – construção da confiança para investidores.

A construção da confiança, como afirma o director para África do Fórum Mundial do Turismo, Danilo Nhantomo, é o primeiro elemento antes de se lançar investimento tangível no domínio turístico, e o “WTF Angola 2019” é uma promoção da confiança, isto é, da imagem positiva de Angola.

O evento, a realizar-se no HTCA, cidade do Talatona, a Sul da urbe de Luanda, vai movimentar, como calcula a organização, pelo menos mil e 500 pessoas de várias partes do mundo, homens que vêm a Angola para participar, fazer turismo e obter informações sobre as condições e as oportunidades de negócios no país.

Com a visão na sua promoção, Angola deverá, depois do fórum, investir em dois outros pilares fundamentais: leis e infra-estruturas, para que fique na rota do turismo em África, em particular, e no mundo, em geral.

Em relação ao primeiro pilar, coloca-se, além dos vistos já facilitados, a questão do repatriamento de dividendos dos investidores, um domínio que precisa de ser adequado aos interesses do país.

Seguida a esta matéria, está o investimento integrado em infra-estruturas – a terceira parte da estrutura do desenvolvimento turístico.

Neste sentido, a WTF, instituição a quem Angola pagou licença para a realização do fórum e mobilização de personalidades, vai ajudar o país, num período superior a cinco anos, na criação das condições, para que seja um destino preferencial de turistas e de investimentos.

Investimento a longo-prazo

A WTF estima que Angola venha a captar mil milhões de dólares norte-americanos em projectos de investimentos no turismo, num período não inferior a cinco anos – tempo de implementação do trabalho de desenvolvimento turístico, acordado entre o Estado angolano e a organização.

O montante em perspectiva, de acordo com a WTF, não será distribuído como uma doação, mas resultará dos investimentos em infra-estruturas turísticas e transversais, isto é, que concorram para o desenvolvimento do sector.

Projectos turísticos

No âmbito do Plano Director do Turismo, o Governo angolano lançou quatro Pólos de Desenvolvimento Turístico – três em 2011 e um em 2016, resultantes das especificidades e envolventes paisagísticas e turísticas de cada um.

Trata-se do Pólo de Desenvolvimento da “Bacia de Okavangho Zambeze”, na província do Cuando Cubango – o maior de Angola, com uma área total de 11 mil 972 hectares, e do “Cabo Ledo”, no município da Quiçama, província de Luanda (o menos extenso, com 1.390.3 hectares).

Junta-se a estes o Pólo de Desenvolvimento de “Calandula”, na província de Malanje (área total de 1.977.49 hectares), e do “Futungo de Belas e Mussulo”, o mais recente, criado em 2016, com uma área de 537 hectares, desde o largo da Corimba até à ponte do Benfica, província de Luanda.

Dos quatro projectos, apenas o “Okavango Zambeze”, designado KAZA, atravessa fronteiras, envolvendo Angola, Zâmbia, Zimbabwe, Namíbia e Botswana. Todos os países são atravessados por um rio que nasce no território nacional.

Estes projectos constituem uma oportunidade de negócios para o sector privado. É nestes espaços onde está o grande foco do Ministério do Turismo, segundo a ministra Ângela Bragança.

A ministra defende a implementação, nos pólos, de investimentos de qualidade que ajudem a atrair cadeias turísticas e potenciem o turismo interno.

Nesta senda, o director do Fórum Mundial do Turismo, o turco Bulut Bagci, disse, na terça-feira (21), existir muito interesse na Quiçama, por ser um local estratégico, e em Cabo Ledo, onde se prevê a construção de empreendimentos que incluam campo de Golfe.

Em relação a Luanda, avançou haver já em carteira um investimento previsto para o centro da cidade capital.

Produtos vendíveis

O que Angola deve oferecer para atrair turistas e investidores? Será que basta dizer que tem potencialidades turísticas?

Sobre as questões acima, a ministra Ângela Bragança defende que o primeiro produto vendível é a supressão de vistos, pois o turista não gosta deste tipo de barreiras.

A governante disse também, nesta terça-feira, num encontro com jornalistas, que é preciso vender a marca Angola, as sete maravilhas do país, os parques naturais, mas realçou a necessidade de melhoria das acessibilidades.

Realçou, de igual modo, a necessidade de se tornarem os preços dos hotéis acessíveis e criar condições que permitam ao turista o uso de cartões de créditos internacionais como Master Card, Visa e outros.

Contribuição do turismo no PIB

Actualmente, o sector do Turismo em Angola tem uma contribuição calculada em 3,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

O Ministério do Turismo entende ser uma cifra irrealista, por não revelar, efectivamente, os proventos proporcionados pelo sector nas mais diversas formas de contribuição.

Por isso, conforme Ângela Bragança, a 21 de Maio, foi assinado um acordo para melhorar esta estatística, porque tem que se fazer uma demonstração clara de quem é o turista.

A propósito do assunto, o secretário de Estado do Turismo, Alves Primo, afirmou acreditar que a contribuição do sector seja muito superior à cifra de 3,5 por cento, uma vez que o INE não calcula as diversas despesas que um turista faz quando chega a Angola.

“O INE calcula a contribuição do Turismo da mesma forma que faz com a contabilidade nacional, arrecadações de imposto de consumo ou industrial das empresas, que não é correcto e, nesse sentido, falta rigor”, fez saber Alves Primo.

Privatizações

O Fórum Mundial do Turismo vai ser aproveitado também pelo Governo angolano para a divulgação de empreendimentos públicos que o Estado pretende privatizar. É o caso de cinco hotéis situados nas províncias de Cabinda, Benguela, Huíla, Luanda e do Namibe.

Além destes empreendimentos hoteleiros, o Governo vai aproveitar o WTF para divulgar e promover outras áreas de investimentos como agricultura e energia e águas, a fim de potenciar a economia do país.

Programa de actividades

O Fórum Mundial do Turismo abre as portas hoje quinta-feira, às 9h:30, no HCTA, tendo como convidado de honra o Presidente da República, João Lourenço.

O evento vai abordar, entre outros temas, “O Turismo em África”, “Turismo Digital ou Informatizado”, “O Papel do Governo nas Viagens de Negócio”, “Porquê investir em Angola?” e “O segredo ou a História do Sucesso dos Destinos Turísticos”.

O Fórum Mundial do Turismo, que reúne em Luanda os líderes da indústria do turismo a nível do mundo, é uma organização global que realiza eventos do género, a fim de impulsionar o turismo global

O evento também presta atenção à relação entre as tendências do turismo local e global, bem como estratégias para um crescimento mais sustentável desta actividade e incentiva a alocação de recursos para uma visão compartilhada do segmento turístico.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.