E SE CENSURARMOS A MÚSICA?!…

0
Upper Digital Marketing
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Por: Manuel Camalata

______________________________________________________________________

A música surgiu como uma forma de a humanidade manifestar a sua arte vocal, rítmica e harmónica. Aliás, ela existe desde que o mundo é mundo e desde que o homem se conhece como gente.

Em Angola, na era colonial foi usada como instrumento não apenas de manifestação artística e de desabafo, mas, sobretudo como instrumento de comunicação para a disseminação e partilha de ideais angolanos contra as autoridades coloniais. Basta ouvirmos, por exemplo, as músicas de David Zé, Tony do Fumo, Urbano de Castro, Ngola Rítimos, Lourdes Van-dunem e Pedrito, para percebermos o valor que suas músicas carregavam além do simples acto de entreter.

Há quase duas décadas temos sido submetidos a humilhantes torturas e desconfortos psicológicos, através de conteúdos musicais que nos entram pelos ouvidos, principalmente nos estilos Kuduro e Rap/Hip-Hop (nada contra, até porque sou um bom apreciador destes estilos e admiro, por exemplo, Bruno M). Algumas dessas são músicas apenas por terem uma voz sobre uma batida instrumental, porque o resto só Deus!…

São conteúdos que mesmo ouvindo sendo tocados numa rádio que se tem sintonizada, o ouvinte fica sempre alerta de que a qualquer altura virá uma frase “matumburizada”, o que nos impede de ouvir confortavelmente as músicas nesses estilos.

Estou lembrado, por exemplo, de um casamento em que o DJ da noite foi enxotado da festa por ter tocado um Kuduro com conteúdo duro demais para os ouvidos dos convivas. Em algumas músicas quando a extravagância fica subentendida a mensagem é clarividenciada pela coreografia fabricada a propósito. Uma aberração total!

O pior é que são esses conteúdos musicais que fazem sucesso, até em festas de crianças, infectando-as com mensagens altamente tóxicas para a mente de qualquer indivíduo, e pior ainda para crianças e adolescentes, o que provoca uma alteração desastrosa nas suas mentes, tornando-os adultos em miniatura.

Apesar da necessidade de se preservar e respeitar a liberdade artística e o ganha-pão dos seus executores, é preciso que todos, nós pais, encarregados de educação, professores e, sobretudo o Estado angolano, consigamos impór limites a essa liberdade artística, que de tão livre que anda, já se libertinou demais.

Precisamos manifestar e preservar os nossos valores morais e culturais para nos impormos diante dos outros sem, no entanto, nos ridicularizarmos. O mesmo para a busca pelo sucesso e pelo pão.

Se os músicos não sabem que têm de vender o seu melhor produto e não algo qualquer, do qual que o consumidor sinta vergonha na hora de fazer uso, então temos de recorrer às leis da Economia, em que o Estado assume o seu exclusivo papel de regulador.

Quero com isto dizer que se pormos mãos a essa situação, a libertinagem há de párar. O amigo leitor deve estar lembrado, por exemplo, daquela música que terá levado Puto Português a fugir do companheiro e a optar pelo Semba, bem como de uma luta musical entre dois kuduristas de Viana, há mais de 15 anos, em que o Ministério da Cultura e a OMA tiveram de entrar no meio e instalar a paz…

Ao invés de continuarmos a assistir impávidos a essa aberração, para no final das contas assumirmos vergonhosamente as consequências, podemos muito bem jogar na antecipação e prevenirmos que a situação se torne insustentável, se é que ainda já não esteja.

Que tal criar-se uma lei que atribui à UNAC a competência de certificar todas as letras antes de qualquer músico entrar em estúdio, à semelhança do que já terá acontecido num passado não muito longíquo?!… Seríamos duramente criticados por “limitar a liberdade artística” dos nossos músicos ou estaríamos a manter ordem e a garantir o conforto e sanidade mental para a sociedade que consome a nossa música?

Perfil

Manuel Camalata, É Jornalista, Produtor e Editor no programa A Voz da Comunidade da Rádio Eclésia em Luanda.


Os artigos de opinião publicados no Notícias de Angola são da inteira responsabilidade do seu autor. O NA não se responsabiliza por quaisquer danos morais ou intelectuais dos textos em causa, confiando no rigor, idoneidade e credibilidade dos seus autores.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.